sábado, 24 de dezembro de 2016

Considerações sobre o Espírito do Natal

Resultado de imagem para papai noel entediado

Obs.: este texto foi escrito pela reinscidência de cometários de amigos quanto a esta questão e sempre que algo se repete muito e me vejo pensando repetidamente sobre o mesmo tema, preciso escrever para concatenar as ideias para que eu mesma entenda os meus conceitos. Depois leio e sinto.  Quando este "sentir" vem em forma de conforto, reafirmo: Sim... é isto que penso e sinto sobre isto! 

Bom, consideremos que de todas as datas, o Natal, devido ao seu lado mistíco tem o poder de retirar das pessoas a "grossa casca" acumulada ao longo do ano e demonstrada pela falta de abraços, de sorrisos e até de um papinho mesmo... 

Não  incluo aqui a falta de bom dia, com licença, por favor e obrigada, isso aí é educação doméstica, tem gente que teve e gente que não teve. Paciência, seu ser adulto tem que administrar isso.

Então, a minha pouca consciência para um instante para analisar considerações advindas lugares comuns e fáceis e pergunta: por que ser tão agressivo e violento com o mundo só por que "não é assim o ano todo"? (esta pergunta deve ser lida com a boca torta para baixo e a língua entre os dentes, como fazem as crianças birrentas ao repetir uma pergunta).

Não é, nunca foi e nunca será assim por todos os dias do ano, simplesmente pelo fato de que nós só colhemos o que plantamos. Se nós mesmos não conseguimos ser doces, adoráveis, generosos, etc, etc, äs vezes em uma mesma semana, como podemos exigir isso do outro? 
Não acredito que seja muito maduro e lucrativo pra nossa saúde mental deixarmos de viver pequenos momentos de prazer e harmonia por causa da doença que o outro tem nos outros 364 dias do ano, minha gente! 
É muito importante saber a diferença entre ser educado e ser falso. 

É muito fácil rotular as pessoas de falsas, interesseiras e blá, blá, blá... mas eu faço outras perguntas: 
Quem é você na história desta pessoa ao longo do ano? 
Quanto você foi gentil e generoso com estas pessoas ao longo do ano?
Quanto de você foi destinado a quebrar esta possível barreira?
Você sabe o que é benevolência?
Quantos elogios sinceros fez este ano?
Estas pessoas fizeram falta e/ou diferença na sua vida?
Você conseguiu ter o "Espiríto do Natal" nos outros 364 dias?

Quem é você na fila do pão????

Por que exigir do outro aquilo que nem você consegue ser? 
Com que direito?

Antes de julgamentos infantis e pouco briosos, acredito que temos que ser a nossa própria cura, temos que agradecer ao Criador por ainda termos pessoas que, mesmo com os nomes fofos que você as deu, estas ainda lhe consigam destinar orações...
O mundo é um grande espelho e só reflete o que mostramos de nós. 

Vitimismo talvez seja a pior arma para usar em busca do reconhecimento do outro e na melhoria de nós mesmos.

Vamos assumir a nossa parcela e tentar ajustar o que está ao nosso alcance, talvez este sim, seja um bom gesto de Natal. 

Obs.: este texto foi escrito pela reinscidência de cometários de amigos quanto a esta questão e sempre que algo se repete muito e me vejo pensando repetidamente sobre o mesmo tema, preciso escrever para concatenar as ideias para que eu mesma entenda os meus conceitos. Depois leio e sinto.  Quando este "sentir" vem em forma de conforto, reafirmo: Sim... é isto que penso e sinto sobre isto! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário